Uma revisão do tributo e do seu estado da arte: os caminhos para a pós-modernidade
Maurin Almeida Falcão
Universidade Católica de Brasília
PDF
HTML

Palavras-chave

Tributo
Contemporaneidade
Justiça fiscal
Pós-modernidade

Resumo

Este artigo tem como objetivo estabelecer uma argumentação em torno do tributo a partir dos pressupostos da pós-modernidade, onde se coloca em questão o debate contemporâneo sobre a construção de uma nova percepção da justiça fiscal. Com efeito, como supedâneo da modernidade, em um momento marcado pela emergência do Estado intervencionista, destacou-se como importante meio de solidariedade que marcou a sociedade pós-Revolução Industrial. Uma vez preenchido o vazio social e consolidados os valores da justiça e da democracia, no transcorrer do conturbado Século XX, a justiça fiscal passou a ser questionada em face da eclosão dos novos eventos sociopolíticos que marcaram a ordem internacional do pós-guerra. Desse modo, a permeabilidade dos sistemas tributários em um quadro marcado pela forte internacionalização da economia e pela mobilidade da riqueza levou a novo perfil da justiça fiscal. O deslocamento inexorável das bases tributáveis impôs uma revisão dos conceitos tradicionais da justiça fiscal e determinou uma nova estrutura dos sistemas tributários contemporâneos, colocando-os na zona cinzenta da pós-modernidade. Esse movimento, ainda em construção, evidencia uma ruptura com os valores do passado materializado na flexibilização das estruturas sociais. A partir da pesquisa bibliográfica e do método hipotético-dedutivo, esse trabalho evidencia as variáveis incidentes sobre a reformulação dos cânones da justiça fiscal em um momento de transição social.

PDF
HTML

Referências

ARDANT, Gabriel. Théorie sociologique de l’impôt. Paris : SEVPEN, 1965.

ARON, Raymond. L’Opium des intellectuels. Paris: Hachette, Pluriel, 1955.

BOUDON, Raymond et al. Dictionnaire de la Sociologie. Paris : Larousse, 2002.

BOUVIER, Michel. Introduction au droit fiscal général et à la théorie de l’impôt. 10a. Ed. Paris: LGDJ, 2010.

BUSINO, Giovanni. Élites et élitisme. Paris : Presses Universitaires de France, 1992.

EISENSTEIN, Louis. The Ideologies of Taxation. Cambridge: Harvard University Press, 2010.

FALCÃO, Maurin A. O tributo e o controle social na argumentação funcionalista de Fritz Karl Mann. Quaestio Iuris, 09, 04, Rio de Janeiro, p. 1841-1864, 2016.

FALCÃO, Maurin A. NEIVA, Leonardo José F. A economia política do tributo segundo a Teoria do Public Choice: análise do caso brasileiro para uma melhor compreensão do desenvolvimento político. Direito e Desenvolvimento, v. 7, n. 13, João Pessoa, p. 237-258, 2016.

FARIA, José Eduardo. O direito na economia globalizada. São Paulo: Malheiros, 1999.

GIDDENS, Anthony, SUTTON, Philip W. Conceitos essenciais da Sociologia. Trad. Claúdia Freire. São Paulo: UNESP, 2016.

MEYNAUD, Jean. Les groupes de pression. Paris: Presses Universitaires de France, 1960.

NEMO Philippe. Philosophie de l’impôt. Paris: Presses Univesitaires de France, 2017.

PARSONS, Talcott. Les systèmes des sociétés modernes. Traduit de l’anglais par Guy Melleray. Paris: Dunod, 1973.

PROUDHON, Pierre-Joseph. Théorie de l’impôt, question mise au concours para le Conseil d’État du Canton de Vaud en 1860. Bruxelles : Office de Publicité, 1861.

SALANIÉ, Bernard. Théorie économie de la fiscalité. Paris : Economica, 2002.

WALRAS, Léon. Éléments d’économie politique. Paris : Librairie Général de Droit et de Jurisprudence, 1952.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.