A luta das mulheres pelo espaço público na primeira onda do feminismo: de suffragettes às sufragistas
Capa Direito e Desenvolvimento
Kimberly Farias Monteiro
Faculdade Meridional (IMED)
Leilane Serratine Grubba
Faculdade Meridional (IMED)
PDF
HTML

Palavras-chave

Direitos humanos
Direitos políticos
Cinema
Feminismo

Como Citar

Farias Monteiro, K., & Grubba, L. S. (2017). A luta das mulheres pelo espaço público na primeira onda do feminismo: de suffragettes às sufragistas. Direito E Desenvolvimento, 8(2), 261-278. https://doi.org/10.25246/direitoedesenvolvimento.v8i2.563

Resumo

A luta das mulheres pela conquista de direitos, especialmente pelo direito civil e político ao voto, foi visível e teve nítido enfoque durante a denominada primeira onda do movimento feminista, que transcorreu pelos séculos XIX e XX. Muitos movimentos marcaram a reivindicação das mulheres pelo direito ao voto, em especial e como um dos mais marcantes, o movimento Sufragista. As Sufragistas, primeiras ativistas do feminismo no século XIX, passaram a ser conhecidas pela sociedade da época devido as suas fortes manifestações públicas em prol dos direitos políticos, com ênfase no direito ao voto. Esse cenário é retratado pelo filme As Sufragistas, estreado no ano de 2015, que relata a luta de mulheres pelo direito ao voto e o movimento sufragista liderado por Emmeline Pankhurst. O artigo problematiza o início da luta de gênero por direitos políticos, com ênfase nos estudos de Direito e Cinema. Dessa forma, a análise do resultado político na luta por direitos da primeira onda do movimento feminista pode ser exemplificado pelo filme As Sufragistas. O filme retrata as condições precárias da mulher no trabalho e sua submissão aos homens; mostra como o Direito e o Cinema podem relacionar-se com o intuito de explorar as realidades vivenciadas pelas mulheres em busca de seus direitos. Nesse sentido, o artigo objetiva, através da análise de cenas e linguagem do filme As Sufragistas, explorar a batalha das Sufragistas pela conquista do voto feminino e, consequentemente, demonstrar que, por meio do Cinema e através de suas imagens é possível retratar as realidades e, assim, as condições às quais as mulheres foram submetidas por longos anos.

PDF
HTML

Referências

BEAUVOIR, Simone. O Segundo sexo: fatos e mitos. 4 ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1980.

BRASIL. Bertha Lutz. Brasília: Cidadania e Justiça. 2014. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2012/04/bertha-lutz. Acesso em: 10 mai. 2017.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Decreto-Lei n.21.076, de 24 de janeiro de 1932. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-21076-24-fevereiro-1932-507583-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 08 mai. 2017.

BRASIL. ONU MULHERES. O Progresso das Mulheres no Brasil 2003-2010. Rio de Janeiro: Outubro, 2011. Disponível em: http://onumulheres.org.br/wp-content/themes/vibecom_onu/pdfs/progresso.pdf. Acesso em: 07 mai. 2017.

BRASIL. Plataforma Mais Mulheres no Poder. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2016. Disponível em: http://www.spm.gov.br/central-de-conteudos/publicacoes/2016/plataforma-mais-mulheres-no-poder-2016_web.pdf. Acesso em: 07 mai. 2017.

DÍEZ JORGE, Maria Elena; MIRÓN PÉREZ, Maria Dolores. Una paz feminina. In MOLINA RUEDA, Beatriz; MUÑOZ, Francisco A. (ed.) Manual de Paz y Conflictos. Granada: Universidad de Granada – Instituto de la Paz y los Conflitctos, pp. 67-93. Disponível em: http://www.ugr.es/~gijapaz/Manual/Una%20Paz%20Femenina.pdf. Acesso em: 03 jan. 2009.

FERNANDES, Valéria Diez Scarance. Lei Maria da Penha: o processo penal no caminho da efetividade: abordagem jurídica e multidisciplinar (incluí Lei de Feminicídio). s/d. São Paulo: Atlas, 2015.

FRANÇA, Fabiane Freire; RIBEIRO, Tamires Almeida. Simone de Beauvoir e o movimento feminista: contribuições à Educação. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas. Maio, 2014. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/GT6_Tamires%20Almeida%20Ribeiro.pdf. Acesso em: 10 mai. 2017.

GOUGES, Olympe de. Declaração dos direitos da mulher cidadã. Tradução de Selvino José Assmann. Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis. Florianópolis. vol. 4. n. 1. Janeiro/Junho, 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/viewFile/911/10852. Acesso em: 08 mai. 2017.

KLEBIS, Daniela. O movimento feminista no Brasil e no mundo. Revista Pré-Univesp. n. 61. Setembro, 2015. Disponível em: http://pre.univesp.br/o-movimento-feminista#.WRPDXlUrLIV. Acesso em: 09 mai. 2017.

MESTRE, Ruth M. Mestre i. Hilando fino: migraciones autónomas de mujeres para trabajar em la indústria del sexo. In. CÁSANOVAS, Andrés Pedreño; PEDREÑO, Manuel Hernández (Coord.). La condición inmigrante: exploraciones e investigaciones desde la región de Murcia. Murcia: Universidad de Murcia, 2005.

NASCIMENTO, Grasiele Augusta Ferreira; SOUSA, Ana Maria Viola de. Direito e cinema - uma visão interdisciplinar. Revista ética e filosofia política. Juíz de Fora. vol. 2. n. 14. Outubro, 2011. Disponível em: http://www.ufjf.br/eticaefilosofia/files/2011/10/14_2_sousa_nascimento_8.pdf. Acesso em: 08 mai. 2015.

NAÇÕES UNIDAS. Relatório de desenvolvimento humano 2010. A verdadeira riqueza das nações: vias para o desenvolvimento humano. Disponível em: http://hdr.undp.org/en/media/HDR_2010_PT_Complete_reprint.pdf. Acesso em: 30 mar. 2011.

NAÇÕES UNIDAS. Relatório de desenvolvimento humano 2011. Sustentabilidade e equidade: um futuro melhor para todos. Disponível em: http://hdr.undp.org/en/media/HDR_2011_PT_Complete.pdf . Acesso em: 18 nov. 2011.

NAÇÕES UNIDAS. A ONU e as mulheres. Disponível em: https://nacoesunidas.org/acao/mulheres/. Acesso em: 08 mai. 2017.

NAÇÕES UNIDAS. Número de mulheres em parlamentos cresce apenas 0,5% em 2015. Março, 2016. Disponível em: http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2016/03/participacao-das-mulheres-em-parlamentos-foi-decepcionante-em-2015/#.WRPHblUrLIV . Acesso em: 08 mai. 2017.

NAÇÕES UNIDAS. Participação feminina nos parlamentos desacelerou em 2015, diz União Interparlamentar. Março, 2016. Disponível em: https://nacoesunidas.org/participacao-feminina-nos-parlamentos-desacelerou-em-2015-diz-uniao-interparlamentar/ . Acesso em: 08 mai. 2017.

NAÇÕES UNIDAS. Women’s participation rate in parliaments slows, even as more gain top seats – IPU. Março, 2016. Disponível em: http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=53373#.WRPG11XyvIW . Acesso em: 08 mai. 2017.

PENA, Conceição Aparecida Mousnier Teixeira de Guimarães. A desigualdade de gênero: tratamento legislativo. Revista EMERJ, v. 11. n. 43. 2008. Disponível em: http://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista43/Revista43_63.pdf . Acesso em: 08 mai. 2017.

PINTO, Céli Regina Jardim Pinto. Feminismo, história e poder. Revista Sociologia Política. Curitiba. v. 18. n. 36. Junho, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsocp/v18n36/03.pdf . Acesso em: 11 mai. 2017.

ROESLER, Jucimara. Narrativa fílmica, imaginário e educação. Revista Sessões do Imaginário. Porto Alegre. n. 13. Setembro, 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/famecos/article/viewFile/858/645 . Acesso em: 08 mai. 2017.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras,
2000.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. 1.ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.

VIEIRA, Liszt. Cidadania e globalização. Rio de Janeiro: Record, 2000.

YOUNG, Iris Marion. Dilemmas of gender, political philosophy and policy. New Jersey: Princeton University Press, 1997.

YOUNG, Iris Marion. Intersecting voices. Dilemmas of gender, political philosophy and policy. New Jersey: Princeton University Press, 1997.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Rio de Janeiro: Círculo do Livro, 1990.

Downloads

Não há dados estatísticos.