Uma análise das relações laborais nos parques de energia eólica sob a perspectiva do emprego verde e do trabalho decente
Capa Direito e Desenvolvimento
Flávia de Paiva Medeiros de Oliveira
Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Cristina Paiva Serafim Gadelha Campos
Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ)
PDF
HTML

Palavras-chave

Emprego verde
Setor energético
Energia renovável
Energia eólica
Trabalho decente

Como Citar

Medeiros de Oliveira, F. de P., & Gadelha Campos, C. P. S. (2017). Uma análise das relações laborais nos parques de energia eólica sob a perspectiva do emprego verde e do trabalho decente. Direito E Desenvolvimento, 8(2), 228-246. https://doi.org/10.25246/direitoedesenvolvimento.v8i2.561

Resumo

A preocupação com o resguardo do patrimônio ambiental tem assumido contornos cada vez mais relevantes, inclusive podendo ser destacados seus efeitos na seara laboral. Procurando associar ecologia e economia, a criação e manutenção de empregos verdes se revelam alternativas eficazes para garantir que atividades profissionais serão desenvolvidas sem causar prejuízos ao meio ambiente, bem como que os respectivos empregados gozarão de condições decentes de trabalho. O setor energético, por sua vez, através da exploração precípua de energias renováveis, detém potencial significativo para ofertar empregos verdes. Em vista disso, o presente trabalho tem como objetivo analisar se a exploração de uma das fontes renováveis largamente disponíveis no Brasil – qual seja, a eólica – tem o condão de contribuir com o esverdeamento laboral no país, notadamente sob a ótica do empregado, considerando as condições de trabalho às quais é submetido.

PDF
HTML

Referências

BETINI, Roberto Cesar; CASTAGNA, Annemarlen Gehrke; TIEPOLO, Gerson M. O Emprego Verde e o Desenvolvimento Sustentável. In: VIII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético. Curitiba, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/275951532_ O_Emprego_Verde_e_o_Desenvolvimento_Sustentavel . Acesso em: 05 set. 2017.

CEPEL. Atlas do Potencial Eólico Brasileiro. 2001. Disponível em: http://www.cresesb.cepel.br/publicacoes/download/atlas_eolico/Atlas%20do%20 Potencial%20Eolico%20Brasileiro.pdf . Acesso em: 20 ago. 2017.

CUSTÓDIO, Maraluce Maria; VALLE, Cíntia Nogueira de Lima. Energia renovável, energia alternativa e energia limpa: breve estudo sobre a diferenciação dos conceitos. In: CUSTÓDIO, Maraluce Maria (Org.) Energia e Direito: perspectivas para um diálogo de sustentabilidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 05-39, 2015.

CRUZ, Paulo Márcio; BODNAR, Zenildo (Org.). Globalização, transnacionalidade e sustentabilidade. Itajaí: UNIVALI, 2012. Disponível em: http://www.univali.br/ppcj/ebook . Acesso em: 05 mai. 2013.

FADIGAS, Eliane Aparecida Faria Amaral. Energia eólica. São Paulo: Manole, 2011.

GIDDENS, Anthony. A Política da Mudança Climática. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

HINRICHS, Roger A.; KLEINBACH, Merlin. Energia e Meio Ambiente. Tradução da 3ª ed. norte americana. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE - IPCC. Special report on renewable energy sources and climate change mitigation, 2011. Disponível em: http://srren.ipcc-wg3.de/report/IPCC_SRREN_Full_Report.pdf . Acesso em: 03 set. 2017.

KRAMER, Andrea S.; FUSARO, Peter C. Energy and Environmental Projec Finance Law and Taxation: New Investement Techniques. New York: Oxford University Press, 2010.

LOPEZ, Ricardo Aldabó. Energia eólica. 2. ed. São Paulo: Artliber, 2012.

OIT. Promover la seguridad y la salud en una economía verde. Ginebra: Oficina Internacional del Trabajo, 2012. Disponível em: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/@ed_protect/@protrav/@safework/documents/ presentation/wcms_178180.pdf . Acesso em: 17 jul. 2016.

OIT. Trabajo decente y la agenda 2030 de desarrollo sostenible. Ginebra: Departamento de Comunicación e Información Pública, 2017. Disponível em: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/documents/publication/wcms_470340.pdf . Acesso em: 17 ago. 2017.

OLIVEIRA, Flavia de Paiva Medeiros de; CECATO, Maria Aurea Baroni. Trabalho decente e emprego verde: uma análise à luz do caráter pluridimensional da sustentabilidade. In: Revista de Direito e Sustentabilidade [online]. Curitiba, vol. 02, nº 02, p. 207-225, 2016. Disponível em: http://www.indexlaw.org/index.php/revistards/article/view/1308/1735 . Acesso em: 05 set. 2017.

PEREIRA, Osvaldo Soliano. Energia eólica: segunda fonte de energia elétrica do Brasil. In: VEIGA, José Eli da (Org.) Energia eólica. São Paulo: Senac, 2012. p. 87-207.

PEREIRA NETO, Aloísio. A energia eólica no direito ambiental brasileiro. Rio de Janeiro: Synergia Editora, 2014.

PINTO, Milton de Oliveira. Fundamentos de energia eólica. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O MEIO AMBIENTE – PNUMA. Empregos verdes: Trabalho decente em um mundo sustentável e com baixas emissões de carbono. 2008. Disponível em: http://www.oitbrasil.org.br/sites/default/files/topic/green_job/pub/empregos_verdes_rumos_257.pdf . Acesso em: 01 set. 2017.

SEN, Amartya K. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010.

SIMAS, Moana; PACCA, Sérgio. Energia Eólica, geração de empregos e Desenvolvimento Sustentável. In: Estudos avançados[online]. São Paulo, vol. 27, n 77, p. 99-115, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142013000100008 . Acesso em: 04 set. 2017.

SIMIONI, Carlos Alberto. O uso de energia renovável sustentável na matriz energética brasileira: obstáculos para o planejamento e ampliação de políticas sustentáveis. 314 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006. Disponível em: http://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/5080/Carlos%20Aberto%20Simioni.pdf?sequence=1%25E2%2589%25A5 Acesso em: 02 set. 2017.

SOUZA, Lívia Maria Cruz Gonçalves de; TEIXEIRA, Karen Myrna Castro Mendes. Utilização da energia geotérmica como instrumento de alcance para a sustentabilidade na perspectiva intergeracional. In: CUSTÓDIO, Maraluce Maria (Org.) Energia e Direito: perspectivas para um diálogo de sustentabilidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 77-98, 2015.

Downloads

Não há dados estatísticos.