A insuficiência da responsabilidade socioambiental empresarial na perspectiva do desenvolvimento sustentável
Capa Direito e Desenvolvimento
Jacopo Paffarini
Faculdade Meridional (IMED)
Mariângela Matarazzo Fanfa Colognese
Faculdade Meridional (IMED)
Eduardo Henrique Hamel
Faculdade Meridional (IMED)
PDF
HTML

Palavras-chave

Capitalismo
Desenvolvimento sustentável
Dano ambiental
Responsabilidade
Sociologia ambiental

Como Citar

Paffarini, J., Colognese, M., & Hamel, E. H. (2017). A insuficiência da responsabilidade socioambiental empresarial na perspectiva do desenvolvimento sustentável. Direito E Desenvolvimento, 8(2), 55-75. https://doi.org/10.25246/direitoedesenvolvimento.v8i2.541

Resumo

O desenvolvimento econômico fundamentado na exploração desenfreada da natureza é uma sistemática funcional para os objetivos do capitalismo. Diante dos problemas ambientais decorrentes das atividades econômicas e industriais, o mundo corporativo despertou para a necessidade de incorporar a questão socioambiental na gestão. Todavia, persiste a incompatibilidade entre as finalidades do capitalismo e o desenvolvimento sustentável. A responsabilidade socioambiental corporativa não atingiu níveis razoáveis de efetividade e luta para conciliar o sistema produtivista e consumista com a preservação ambiental. Este estudo tem como objetivo questionar a insuficiência da responsabilidade socioambiental empresarial na perspectiva do desenvolvimento sustentável e promover a Sociologia Ambiental como ferramenta de conscientização. Nesse contexto, surge como imprescindível a abordagem do desenvolvimento na sujeição da sustentabilidade, a partir de outra perspectiva frente às ações e práticas de produção que ajustam o desenvolvimento. Através de pesquisa exploratória bibliográfica, são descritos esses conceitos e suas aproximações e afastamentos. Conclui-se que o esgotamento ambiental é um limite para o avanço do capitalismo e gerenciar essa crise planetária pressupõe a aprendizagem focada na consciência ambiental e na construção social ambiental.

PDF
HTML

Referências

ALMEIDA, Fernando. Experiências empresariais em sustentabilidade – avanços, dificuldades e motivações de gestores e empresas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

ALVES, Liane; CORREA, Elisa; SANTOS, Priscilla et al. Quais são os principais selos ecológicos no mercado? Disponível em: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/conteudo_298573.shtml . Acesso em: 18 abr. 2017.

ARMADA Charles Alexandre Souza; VIEIRA, Ricardo Stanziola. A efetivação do direito ambiental no século XXI através de um estado transnacional ambiental. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 15, n. 15, p. 148-166, jan./jun. 2014.

BARAK, Gregg. The Crimes of the Powerful and the Globalization of Crime. Revista Brasileira de Direito, 11(2): 104-114, jul./dez. 2015.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Ed. 34, 2010.

BEIRNE, Piers; SOUTH, Nigel. Issues in Green Criminology: confronting harms against environments, humanity and other animals. New York: Routledge, 2013.

BORGER, Fernanda Gabriela. Responsabilidade social: efeitos da atuação social na dinâmica empresarial. 2001. Tese (Doutorado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2001. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-04022002-105347/pt-br.php . Acesso em: 12 abr. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm . Acesso em: 16 abr. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.605 de 12 de fevereiro de 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm . Acesso em: 16 abr. 2017.

BUCCI, Maria Paula Dallari. Fundamentos para uma teoria jurídica das políticas públicas. São Paulo: Saraiva, 2013.

BUDÓ, Marília de Nardin; COLOGNESE, Mariângela Matarazzo Fanfa, FRANÇA, Karine Agatha. O sofrimento animal como objeto da criminologia. In: X MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO COMUNITÁRIA E IX MOSTRA DE PESQUISA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA IMED, 2016, Passo Fundo/RS. Anais. Passo Fundo/RS: Faculdade Meridional – IMED, 2016.

BUTTEL, Frederick H. New directions in environmental sociology. Annual Review of Sociology, v. 13, pp. 465-488, 1987. Disponível em: http://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev.so.13.080187.002341?journalCode=soc . Acesso em: 17 out. 2017.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CORPORATE REFORM COLLECTIVE. Fighting Corporate Abuse: Beyond Predatory Capitalism. London: Pluto Press, 2014.

DIAS, Genebaldo Freire. Pegada ecológica e sustentabilidade humana. São Paulo: Global Editora, 2007.

EON, Fábio. O que é responsabilidade social? 2015. Disponível em: http://www.responsabilidadesocial.com/o-que-e-responsabilidade-social/ . Acesso em: 18 abr. 2017.

FRIEDMAN, Milton. Capitalism and freedom. Chicago: Chicago University Press, 1962.

GLENN, Patrick H. A transnational concept of Law. In: CANE, Peter; TUSHNET, Mark. Oxford Handbook of Legal Studies. Oxford: Oxford University Press, 2005.

HANNIGAN, John. Sociologia Ambiental. Tradução de Annahid Burnett. Petrópolis, (RJ): Vozes, 2009.

HARVEY, David. Seventeen contradictions and the end of capitalism. London: Profile Books, 2015.

HICKEL, Jason. To deal with climate change we need a new financial system. The Guardian, United Kingdom, 5 nov. 2016. Disponível em: https://www.theguardian.com/global-development-professionals-network/2016/nov/05/how-a-new-money-system-could-help-stop-climate-change . Acesso em: 18 abr. 2017.

LATOUCHE, Serge. Pequeno tratado do decrescimento sereno. Tradução de Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

LYNCH, Michael J.; LONG, Michael A.; BARRETT, Kimberly L., et al. Is it a Crime to Produce Ecological Disorganization? Why Green Criminology and Political Economy Matter in the Analysis of Global Ecological Harms. The British Journal of criminology. 2013, 53, pp. 997–1016. Disponível em: http://bjc.oxfordjournals.org/content/53/6/997.full.pdf+html?sid=0c96a303-93de-4abf-85c5-b4cf8897dd50 . Acesso em: 17 abr. 2017.

MCCLENAGHAN, Maeve ; CARTER, Lawrence. Leaked report reveals BP safety failures as it heads back to Gulf of Mexico. Energy Desk Greenpeace, 13 dez. 2016. Disponível em: https://energydesk.greenpeace.org/2016/12/13/bp-leaked-report-sparks-concerns-safety/ . Acesso em: 17 abr. 2017.

MARX, Karl. O capital – crítica da economia política. Volume I. Livro Primeiro. O processo de produção do capital. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MAZZUOLI, Valerio de Oliveira; AYALA, Patryck de Araújo. Cooperação internacional para a preservação do meio ambiente: o direito brasileiro e a Convenção de Aarhus. Revista Direito GV, vol. 8, n. 1, p. 297-328. São Paulo jan./jun. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-24322012000100012 . Acesso em: 16 abr. 2017.

MORAIS, Fausto Santos de; BRIDI, Janaína Hennig. As contratações sustentáveis e o problema do julgamento objetivo. In: BOFF, Salete Oro; ESPINDOLA, Angela Araujo da; TRINDADE, André Karam. Direito, democracia e sustentabilidade: anuário do programa de pós-graduação Stricto Sensu em Direito da Faculdade Meridional. Passo Fundo: IMED Editora, 2014.

NATALI, Lorenzo. Criminology, victimización medioambiental y social harm - El caso de Huelva (España). Revista Crítica Penal y Poder. OSPDH, n. 7, p. 5-34, set. 2014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. A ONU e o meio ambiente. 2016. Disponível em: https://nacoesunidas.org/acao/meio-ambiente/ . Acesso em: 16 abr. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Fatos sobre desastres. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/desastres.pdf . Acesso em: 16 abr. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Our common future. Report of the World Commission on Environment and Development. 1987. Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/N8718467.pdf . Acesso em: 16 abr. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Report of the Working Group on the issue of human rights and transnational corporations and other business enterprises on its mission to Brazil. Brasil: 2015. Disponível em: https://documents-dds-ny.un.org/doc/UNDOC/GEN/G16/096/43/PDF/G1609643.pdAcf?OpenElement . Acesso em: 17 abr. 2017.

PUCCI, Rafael Diniz. Criminalidade ambiental transnacional. Desafios para a sua regulação jurídica. 2012. 203 p. Tese (Doutorado) - Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2139/tde-27082013-115114/pt-br.php. . Acesso em: 18 abr. 2017.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER Tiago. Direito constitucional ambiental: estudos sobre a Constituição, os Direitos Fundamentais e a Proteção do Ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

SCHNAIBERG, Allan. The Environment: From Surplus to Scarcity. New York: Oxford University Press, 1980.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Tradução de Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

Triple Bottom Line. The Economist, 17 nov. 2009. Retrieved 14 August 2014. Disponível em: http://www.economist.com/node/14301663 . Acesso em: 18 abr. 2017.

UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME – UNEP. Decoupling natural resource use and environmental impacts from economic growth. Report of the UNEP Working Group on Decoupling to the International Resource Panel, 2011. Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/DecouplingENGSummary-1.pdf . Acesso em: 16 abr. 2017.

WILLIAMS, Christopher. Environmental victims – new risks, new injustices. New York: Earthscan, 2013.

Downloads

Não há dados estatísticos.