A aplicação de tecnologias limpas para o desenvolvimento urbano sustentável através da implantação de energia fotovoltaica
Bruno Bastos de Oliveira
UNIMAR - UNIVERSIDADE DE MARÍLIA
Belinda Pereira da Cunha
Universidade de Marília - UNIMAR
Solange Martins
Universidade de Marília - UNIMAR
PDF

Palavras-chave

Desenvolvimento sustentável
energia fotovoltaica
energia solar
direito urbanístico
tecnologias limpas

Como Citar

Oliveira, B., Cunha, B., & Martins, S. (2021). A aplicação de tecnologias limpas para o desenvolvimento urbano sustentável através da implantação de energia fotovoltaica. Direito E Desenvolvimento, 12(1), 158-179. https://doi.org/10.26843/direitoedesenvolvimento.v12i1.1373

Resumo

O ser humano busca atender os seus desejos e as suas necessidades através da aquisição de bens e produtos ofertados pelas empresas. Existe assim estabelecido uma relação que caracteriza a função social da empresa: ofertar mercadorias, produtos e serviços visando atender os clientes, criando emprego, contribuindo para a arrecadação de receitas para o estado e movimentando a economia.  Não basta pensar em lucratividade, é preciso inovar. Assim, surgem as startups, como instrumento para criação de empreendimentos inovadores. O surgimento de oportunidades de inovação voltada ao desenvolvimento sustentável, quando estas startups investem no mercado de geração de energia fotovoltaica, colaborando e disseminando nas zonas urbanas, em empresas ou residências, uma provável economia de energia elétrica, divulgando assim a adoção de painéis solares que transformam a energia solar em energia fotovoltaica. O objetivo deste artigo é apresentar as possibilidades da aplicação de tecnologias limpas, também denominadas “Cleantechs” aplicáveis no desenvolvimento urbano sustentável através da implantação da energia fotovoltaica. O método utilizado na abordagem da temática foi o método dedutivo, através de pesquisa bibliográfica em obras de renomados autores Aliado ao crescimento urbano e a preocupação com o ecossistema, há possibilidade de verificar os instrumentos legais relacionados a proteção do meio ambiente, ao desenvolvimento sustentável e a qualidade de vida da população atual e das futuras gerações.

 

PDF

Referências

ABSOLAR – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica. Geração distribuída solar fotovoltaica. Rio de Janeiro: Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico, 2016.
ABSTARTUPS. Programas para Startups. [s.d.].
ABSTARTUPS. Sobre a ABStartups. 2017.
AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Atlas de energia elétrica no Brasil/Agência Nacional de Energia Elétrica. 3 ed. – Brasília: Aneel, 2008.
AGUILAR, R.S; OLIVEIRA, L.C.S; ARCANJO, G.L.F. Energia Renovável : Os Ganhos E Os Impactos Sociais , Ambientais E Econômicos Nas Indústrias Brasileiras. In: XXXII Encontro Nacional De Engenharia De Producao. Bento Gonçalves. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2012
BARBIERI, José Carlos. Gestão Ambiental Empresarial: Conceitos, Modelos e instrumentos. I Ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2004.
BLANK, Steve. Four steps to the epiphany. 2. ed. [s.l.]: Cafepress, 2007.
BRASIL, Luciano de Faria. Direito Urbanístico e Políticas Públicas: Do planejamento urbano à gestão urbanística. Revista do Ministério Público do RS. Porto Alegre, n. 74, jul. 2013 – dez. 2013. p. 99-118.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 30 mar. 2019.
BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação  e aplicação , e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm . Acesso em: 30 mar. 2019.
BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm . Acesso em: 30 mar. 2019.
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Ministério da Educação; Coordenação Geral de Educação Ambiental. Programa Nacional de Educação Ambiental - ProNEA. 3. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. 102 p. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/pronea_3.pdf . Acesso em: 30 mar. 2019.
CARVALHOSA, Modesto. Comentários à lei de sociedades anônimas. v. 3. São Paulo: Saraiva, 1997.
COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de direito empresarial: direito de empresa. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.
DE CESARE, C. M., et al. Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana: Caderno Técnico de Regulamentação e Implementação. Brasília: Ministério das Cidades, 2015. 112 pp.
EPE – Empresa de Pesquisa Energética. O compromisso do Brasil no combate às mudanças climáticas: produção e uso da energia. Rio de Janeiro, 2016.
FERREIRA, Antonio G. Dicionário de Latim-Português. Porto: Porto Editora, 1996. p. 507
FONSECA, Mariana. Revista Exame: Startup de Curitiba oferece energia solar a 20 reais por mês. (16 set 2016, 20h04). Disponível em: https://exame.abril.com.br/pme/startup-de-curitiba-oferece-energia-solar-a-20-reais-por-mes/ Acesso: 21 jun.2019.
FREITAS, Caroline de. A onda das startups. 2014. Elaborada por Revista ABRH Brasil - Melhor gestão de pessoas. Disponível em: http://revistamelhor.com.br/a-onda-dos-startups/ . Acesso em: 03 jun. 2019.
FREITAS, G.C.; DATHEIN, R. As energias renováveis no Brasil: uma avaliação acerca das implicações para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental. Revista Nexos Econômicos, v. 7, n. 1, p. 71-94, 2013.
GIHATY, Yuri. O que é uma startup? Exame, São Paulo, 3 fev. 2016. Disponível em: . https://exame.abril.com.br/pme/o-que-e-uma-startup/ Acesso em: 16 jun. 2019.
HOFFMANN, W. PVsolar electricity industry: Market growth and perspective. Solar Energy Materials & Solar Cells, v. 90, p. 3285–3311, 2006.
JORNAL DO COMÉRCIO (08/01/2019) Disponível em: Startup cria clube de assinaturas para consumo de energia fotovoltaica. https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/12/663376-startup-cria-clube-de-assinaturas-para-consumo-de-energia-fotovoltaica.html. Acesso: 21 jun.2019.
KESHNER, M. S., ARYA, R. 2003. Study of potential cost reductions resulting from super large scale manufacturing of PV modules. Disponível em: http://www.nreal.gov
LAZZARINI, Marilena. Consumo responsável. Comunicação Empresarial, São Paulo, ano 16, n. 59, p. 48-49, jun. 2006.
LENZI, C. L., 2006. Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade na modernidade. São Paulo: Edusc.
LORENZO, ítalo di. Diritto Urbanístico. Turim, Urdone Tipografico-Editrice Torinese (UTET), 1973.
LUSTOSA, Maria Cecília Junqueira. Economia e meio ambiente: revendo desafios. Disponível em: http://www.jornaldeplasticos.com.br/jpjul01/pag07.html. Acesso em: 02 jun.2019.
MARANHÃO, Eliane Montenegro de Albuquerque. Responsabilidade Social Empresarial e a relação entre as empresas, o Estado e as comunidades: um estudo na região II de Fortaleza. 2006. ? f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade de Fortaleza, Fortaleza.
MARQUES, Clarice Gonçalves Pires. O Direito Urbanístico e o desafio da gestão ambiental sustentável no município. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v.8, n.16 p.189-210. Julho/Dezembro de 2011
MASCARENHAS, L. M. A. Visão sistêmica no Direito Ambiental pátrio. In: Congresso Internacional de Direito Ambiental, congresso Brasileiro de Direito Ambiental – Fauna, Políticas Públicas E Instrumentos Legais, 8., 9., 2004, São Paulo. Anais... São Paulo, SP: Instituto o Direito por um Planeta Verde, 2004.
OLIVEIRA, José Antônio Puppim de. Empresas na sociedade: sustentabilidade e responsabilidade social. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
OLIVEIRA, D. B. de. “IPTU Verde”: Uma perspectiva legislativa no Município de Pelotas. Revista da Faculdade de Direito. Universidade Federal de Pelotas: v.1, n.1, jan.–jun. 2014.
OLIVEIRA, Lourival José de; SCHWERTNER, Isadora Minotto Gomes. Breve análise das práticas de responsabilidade social empresarial e a concessão de incentivos governamentais em âmbito federal. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2019.
PINTO, Victor Carvalho (2010). “Do estatuto da cidade ao código de urbanismo.” In: Senado Federal. Agenda legislativa para o desenvolvimento nacional – 2011. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/outras-publicacoes#temas-eagendas-para-o-desenvolvimento-sustentavel. Acesso: 21 jun.2019.
POPONI, D. Analysis of diffusion paths for photovoltaic technology base don experiences curves. Solar Energy, v. 74, p. 331-340, 2003.
PORTAL BRASILEIRO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS. Fontes de Energia Renovável. Disponível em: https://www.portal-energia.com/ Acesso em: 18 jun. 2019.
RAUEN, Cristiane Vianna. O novo marco legal da inovação no Brasil: o que muda na relação ICT-Empresa. Radar, Brasília, v. 43, p. 21-35, fev. 2016. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/6051 Acesso em: 13 jun. 2019.
REALE, Miguel. Lições Preliminares do Direito. 27 ed. São Paulo: Saraiva, 2002
RODRIGUEZ, Américo Plá. Princípios de Direito do Trabalho. 3 ed. São Paulo: LTR, 2002.
RÜTHER, Ricardo ; SALAMONI, Isabel. O potencial dos setores urbanos brasileiros para a geração de energia solar fotovoltaica de forma integrada às edificações. Fórum Patrimônio, Belo Horizonte, v. 4, n. 1, p. 84-94, 2011.
RÜTHER, Ricardo. Edifícios solares fotovoltaicos. O Potencial da Geração Solar Fotovoltaica Integrada a Edificações Urbanas e Interligada à Rede Elétrica Pública no Brasil. Florianópolis : LABSOLAR, 2004. Disponível em: https://fotovoltaica.ufsc.br/sistemas/livros/livro-edificios-solares-fotovoltaicos.pdf Acesso: 21 jun.2019.
SALAMONI, I. T. Um programa residencial de telhados solares para o Brasil: diretrizes de políticas públicas para a inserção da geração fotovoltaica conectada à rede elétrica. 2009. Tese (Doutorado pelo Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.
SANTOS, H. M. Impacto da Produção de Energias Renováveis nas Emissões de CO2. [Trabalho de Conclusão de Curso] Faculdade de Economia Universidade de Porto, 2015.
SCHUMPETER, Joseph A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.
SHENINI, Pedro Carlos; NASCIMENTO, Daniel Trento do. Gestão Pública sustentável. Revista de Ciências da Administração – v.4, n.08, jul/dez 2002.
SIDOU, J. M. Othon. Dicionário Jurídico. Academia Brasileira de Letras Jurídicas. 8ª ed.-Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.
SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 10 ed. São Paulo: Malheiros, 1995.
SILVA, José Afonso da. Direito Urbanístico Brasileiro. 6º ed. São Paulo: Malheiros, 2008
SIRVINSKAS, l.P. Manual de Direito Ambiental. 3º Ed. São Paulo: Saraiva,2005.
SOUSA, Ana Carolina Cardoso. Responsabilidade social e Desenvolvimento Sustentável. A incorporação dos conceitos á Estratégia Empresarial. Disponível em: http://www.ppe.ufrj.br/index.php/pt/publicacoes/dissertacoes/2006/1083-responsabilidade-social-e-desenvolvimento-sustentavel-a-incorporacao-dos-conceitos-a-estrategia-empresarial Acesso: 02 abr.2019.
SOUZA, Thais de Morais; FERREIRA, Maria Emilia Martins . Desafios da energia fotovoltaica e ações de sustentabilidade para o programa habitacional “minha casa, minha vida”. BIOFIX Scientific Journal v. 4 n. 1 p. 64-69 2019. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/biofix/article/view/62878/37621 Acesso: 23 jun.2019.
SUNDFELD, Carlos Ari. O Estatuto da Cidade e suas diretrizes gerais (art. 2º). In:
DALLARI, Adilson Abreu; FERRAZ, Sérgio (Coord.). Estatuto da Cidade (Comentários à Lei Federal 10.257/2001). 3. ed. atual. de acordo com as Leis 11.673, de 8.5.2008 e 11.977, de 7.7.2009. São Paulo: Malheiros, 2010. p. 46).
TEIXEIRA, Tarcisio; LOPES, Alan Startups e inovação: direito no empreendedorismo. Barueri: Manole, 2017.
TIEPOLO, G. M.; PEREIRA, E. B.; URBANETZ JR, J.; PEREIRA, S. V.; GONCALVES, A. R.; LIMA, F. J. L.; COSTA, R. S., ALVES, A. R. “Atlas de Energia Solar do Estado do Paraná”. 1a Edição. Curitiba: UTFPR, 2017. Disponível em: http://atlassolarparana.com/ Acesso: 21 jun.2019.
TOMASEVICIUS FILHO, Eduardo. A função social da empresa. In: Revista dos Tribunais. ano 92. v.810. Abril. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
VANDERMERWE, S. & OLIFF, M.D. Customers drive corporations green (impact on corporate strategic planning). Long Range Planning, Oxlord, 23(6):10-16, Dec. 1990.
VINHA, Valeria Gonçalves da. Estratégias Empresariais e a gestão do Social: O diálogo com os grupos de interesse (Stakeholders). IX Congresso Brasileiro de Energia, Rio de Janeiro, 2002.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.