O investimento-anjo como instrumento de desenvolvimento econômico no Brasil
Kharen Kelm Herbst
Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR
https://orcid.org/0000-0002-7310-421X
Eduardo Oliveira Agustinho
Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR
PDF
HTML

Palavras-chave

desenvolvimento
nova economia institucional
investimento-anjo
regulação
empreendedorismo

Como Citar

Herbst, K., & Agustinho, E. (2019). O investimento-anjo como instrumento de desenvolvimento econômico no Brasil. Direito E Desenvolvimento, 10(2), 241-255. https://doi.org/10.26843/direitoedesenvolvimento.v10i2.1127

Resumo

Diante dos arranjos institucionais brasileiros, dependentes de sua trajetória, o empreendedorismo se depara com diversos obstáculos que representam riscos e desestímulos à inovação, entre eles a dificuldade para acessar recursos financeiros bancários. Neste cenário, o investimento-anjo despontou como uma alternativa promissora. Observada a sua progressiva relevância no mercado, cabe ao Estado proporcionar as instituições jurídicas que garantam maior segurança para a transação. O objetivo deste artigo, então, é analisar de que forma as instituições foram formalizadas para mitigar os riscos dessas operações de investimento, e se asseguram a eficiência de potencializar esse mecanismo de desenvolvimento econômico no Brasil. Através da técnica bibliográfica e método dedutivo, foram aplicados os fundamentos da Nova Economia Institucional, desvendando os resultados esperados da interseção entre instituições jurídicas e econômicas no contexto do investimento-anjo.

PDF
HTML

Referências

ALCOFORADO, Fernando. Globalização e desenvolvimento. São Paulo: Nobel, 2006.

ALMEIDA, Paulo Roberto de. O Brasil e o sistema Bretton-Woods: instituições e políticas em perspectiva histórica. In: SILVA, Roberto Luiz; MAZZUOLI, Valerio de Oliveira. (Orgs.) O Brasil e os acordos econômicos internacionais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003, p.30-64.

BARROS, Giovanni E; TODA, Favio A.; RAMOS FILHO, América da C. O papel dos investidores-anjos em empresas investidas: um estudo exploratório com empresas do estado do Rio de Janeiro. Cadernos de Gestão e Empreendedorismo. V.5, nº3. Setembro-Dezembro de 2017, p.47-61.

BERNARDI, Bruno Boti. O conceito de dependência da trajetória (path dependence): definições e controvérsias teóricas. Revista Perspectivas, São Paulo, v. 41, p. 137-167, jan./jun. 2012.

BOSMA, Niels; KELLEY, Donna. Global Entrepreneurship Monitor – 2018/2019 Global Report. Global Entrepreneurship Research Association (GERA), 2019.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Crescimento e desenvolvimento econômico. Notas para uso em curso de desenvolvimento econômico na Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, 2007.

BUAINAIN, Antonio M.; LIMA JUNIOR, Irineu de S.; CORDER, Solange. Desafios do financiamento à inovação no Brasil. In: COUTINHO, Diogo R.; FOSS, Maria Carolina; MOUALLEM, Pedro Salomon. (Orgs.) Inovação no Brasil: avanços e desafios jurídicos e institucionais. 1ª Ed. Blucher: Open Access. p. 97-123, 2017.

BUTLER, Eamonn. Classical liberalism. The Institute of Economic Affairs. Great
Britain, 2015.

D’ASCENZO, C. A case study on preinvestment behavior and deal flow in an angel investment group. 198 f. Dissertação (Administração) - University of Phoenix, Arizona, 2009.

COASE, Ronald H. The Problem of Social Cost. The Jounal of Law and Economics. Out de 1960, Vol. 3, pp. 01-44.

COASE, Ronald H. The task of the society. Institutional Society for New Institutional Economics. 1999, Vol. 02, 02, pp. 01-08.

COOTER, Robert D.; SCHAFER, Hans-Bernd. Solomon's Knot: How Law Can End the Poverty of Nations. Princeton University Press, 2013.

EID JUNIOR, William. Custos de manter uma Sociedade Anônima no Brasil. GV – Centro de Estudos em Finanças – EAESP. Dezembro de 2012.

FIANI, Ronaldo. Tendências da Regulação Econômica no Caso Brasileiro: uma reflexão a partir do debate internacional. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 5, n.ed. esp, p. 155-177, 2001.

FONSECA, Victor C. DOMINGUES, Juliana O. Financiamento de startups: aspectos econômicos dos investimentos de alto risco e mecanismos jurídicos de controle. Revista de Direito Econômico e Socioambiental, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 319-354, jan./abr. 2018.

GALA, Paulo. A teoria institucional de Douglass North. Revista de Economia Política, vol. 23, nº 2 (90), abril-junho/2003, p.89-105.

GONÇALVES, Oksandro; RIBEIRO, Marcelo M. Tributação e desenvolvimento regional: uma análise econômica dos benefícios fiscais concedidos para empresas instaladas na Zona Franca de Manaus e a guerra fiscal entre estados. Revista Pensar, Fortaleza, v. 20, n. 2, p. 451-504, maio/ago. 2015.

MARINHO, Leonardo E. M. Campos. Startups: A mitigação dos riscos nos investimentos em startups de base tecnológica. Monografia. 63f. LLM em Direito Societário. INSPER, São Paulo, 2017.

MATTOS FILHO, Ary O; Et al. Radiografia das Sociedades Limitadas. Núcleo de Estudos em Mercados e Investimentos. FGV Direito SP, agosto de 2014.

MOREIRA, Vital. A ordem jurídica do capitalismo. 3. ed., Coimbra: Centelho, 1978.

NASSER, Salem Hikmat. Fontes e normas do direito internacional: um estudo sobre a soft law. São Paulo: Atlas, 2005.

NORTH, Douglass C. Economic performance through time. The American Economic Review. June 1994, 84, pp. 359-368.

NORTH, Douglass C. Intitutions, institutional change and economic performance, Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

OECD, G20/OECD. Principles of Corporate Governance. OECD Publishing, Paris, 2015. Disponível em: https://www.oecd.org/corporate/principles-corporate-governance.htm Acesso em: 13 de junho de 2019.

REIS, José. Estado e mercado: Uma perspetiva institucionalista e relacional. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], nº 95, p.11-34, dezembro de 2011.

RIBEIRO, Marcia Carla Pereira; GALESKI JUNIOR, Irineu. Teoria geral dos contratos: contratos empresariais e análise econômica. s.l. : Elsevier, 2009.

RISTER, Carla A. Direito ao desenvolvimento: antecedentes, significados e consequências. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

SCHUMPETER, Joseph. A Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Sobrevivência das empresas no Brasil. Relatório Final, outubro de 2016. Disponível em: https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2017/04/Sobreviv%C3%AAncia-de-Empresas-no-Brasil-2016-FINAL.pdf Acesso em 13 de junho de 2019.

SJOSTRAND, Sven-Erik. Towards a Theory of Institutional Change, In: GROENEWEGEN, J.; PITELIS, C. e SJÖSTRAND, S. E., On Economics Institutions: Theory and Applications. Aldershot: Edward Elgar, 1995.

TREBICOOK, Michael J.; DAVIS, Kevin E. A relação entre direito e desenvolvimento: otimistas versus céticos. Revista Direito GV, São Paulo, 5(1), p.217-268, janeiro a junho de 2009.

WILLIAMSON, Oliver. The Economic Institutions of Capitalism. New York: The Free Press, 1985.

WILSON, Karen E. Policy Lessons from Financing Innovative Firms, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 24, OECD Publishing, Paris, 2015.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.