Avaliação da resistência à compressão do concreto: comparativo entre corpo de provas de moldados e testemunhos extraídos
capa
Henrique Jorge Nery de Lima
Centro Universitário do Distrito Federal (UDF)
Rodrigo Lacerda da Silva
Centro Universitário do Distrito Federal (UDF)
Júnior Marques da Silva
Centro Universitário do Distrito Federal (UDF)
Guilherme Sales Soares de Azevedo Melo
Universidade de Brasília (UnB)
PDF

Palavras-chave

Resistência à compressão
Corpo de prova
Testemunho

Como Citar

Lima, H., Silva, R., Silva, J., & Melo, G. (2018). Avaliação da resistência à compressão do concreto: comparativo entre corpo de provas de moldados e testemunhos extraídos. Revista InterScientia, 6(2), 2-11. https://doi.org/10.26843/interscientia.v6i2.881

Resumo

Este trabalho apresenta uma avaliação comparativa da resistência mecânica do concreto, entre corpos de provas moldados e testemunhos extraídos de lajes de concreto armado, em um canteiro de obras na região administrativa de Santa Maria- DF, no ano de 2017. O objetivo principal do estudo é identificar e mensurar as variações de resistência à compressão, que ocorrem durante o processo de execução de estruturas de concreto. Serão realizados ensaios à compressão, e logo após, comparadas as principais diferenças entre os corpos de provas, (amostras moldadas), e dos testemunhos extraídos. O concreto que será utilizado nesse estudo será fornecido por central dosadora com resistência característica de projeto de 25 MPa e 20 MPa, fator água/cimento, a/c ≤0,6. Com base nos resultados alcançados neste estudo, conclui-se que a uma redução de aproximadamente 17% da resistência à compressão dos testemunhos, se comparados ao fck de projeto em ambos os casos, nota-se também que as correções sugeridas pela norma ABNT NBR 7680-1:2015 não contribui para a melhora dos índices de resistência.  

PDF

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Ensaio de compressão de corpos de provas cilíndricos. Procedimento,NBR 5739 Rio de Janeiro, 2015, 9 páginas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Extração, preparo, ensaio e analise de testemunhos de estruturas de concreto– Procedimento. NBR 7680.Parte 1: Resistência à compressão axial. Rio de Janeiro, 2015, 9 páginas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Preparo, controle, recebimento e aceitação – Procedimento,NBR 12655. Rio de Janeiro, 2015, 29 página.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5738. Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de Janeiro, 2015, 9 páginas.

CREMONINI, Ruy Alberto. Análise de estruturas acabadas: contribuição para a determinação da relação entre as resistências potencial e efetiva do concreto. São Paulo, 1994. Tese de Doutorado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

HELENE, Paulo; CARVALHO, Mariana; COUTO, Douglas; BILESKY, Pedro. Análise crítica do novo texto da ABNT 7680-1:2015.57° Congresso Brasileiro do concreto, IBRACON; Bonito-MS. Volume I: p. 3 – 13.

HELENE, Paulo e PACHECO, Jéssika. (2013). Controle da Resistência do Concreto. Mérida- México. Boletim Técnico. 20 páginas.

HELENE, Paulo. e TERZIAN, Paulo. Manual de Dosagem e Controle do Concreto. 1° edição, São Paulo – SP, editora PINI, abril de 1993. 349 p.

ISAIA, Geraldo Cechella (2011). Concreto: Ciência e tecnologia. Análise de estruturas de concreto com problemas de resistência e fissuração. São Paulo- SP IBRACON, Volume 1, p. 1 – 41.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.