Violência obstétrica: o relato de uma dor
Ingridy Mayara da Silva Leite
Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ)
Daniela Heitzmann Amaral Valentim de Souza
Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ)
PDF

Palavras-chave

Violência obstétrica
Parturição
Parto violento
Humanização no parto

Como Citar

da Silva Leite, I., & Valentim de Souza, D. (2019). Violência obstétrica: o relato de uma dor. Revista InterScientia, 7(1), 162-180. https://doi.org/10.26843/interscientia.v7i1.784

Resumo

Ao longo do tempo o parto perdeu a configuração de um evento eminentemente fisiológico e ganhou diversas intervenções médicas, essas condutas foram sendo enraizadas na prática do profissional que auxilia a parturiente, no entanto, o excesso de procedimentos medicalizados podem trazer inúmeros prejuízos a saúde física e emocional da mulher, principalmente porque retira da mesma o protagonismo neste evento. Entendemos como violência obstétrica todo e qualquer ato ou procedimento violento e/ou ineficaz utilizado para com a mulher no momento da parturição. Dessa forma, o objetivo desse estudo visou compreender as consequências físicas e emocionais decorrentes da violência obstétrica. De natureza qualitativa, o estudo de caso em questão, contou com a participação de uma mulher que vivenciou a experiência de violência no parto, para coleta de informações foi utilizada uma entrevista semiestruturada composta de questões que trouxeram características psicológicas advindas do seu processo de parturição. Foi possível perceber as dores e o sofrimento vividos pela participante da pesquisa no seu parto, pós-parto e até os dias atuais, sendo assim, constata-se que as consequências da violência obstétrica podem deixar traumas que se perpetuam durante anos, haja vista que é destinada a autonomia e feminilidade da mulher, ou seja, não se limita apenas a maternidade.

PDF

Referências

ANDRADE, B. P.; AGGIO, C. M. Violência Obstétrica: a dor que cala. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas. Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de Maio de 2014.

AGUIAR, J.M. et al. Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a ótica dos profissionais de saúde. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, p. 2287-2296, nov. 2013.

AGUIAR, J.M. Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma questão de gênero. 2010. Tese (Doutorado) - Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2010.

AGUIAR, J. M.; D'OLIVEIRA, A. F. P. L. Violência institucional em maternidades públicas sob a ótica das usuárias. Interface Comunicação Saúde Educação, v. 15, n. 36, p. 79-92, mar, 2011.

BEZERRA, M. G. A.; CARDOSO, M. V. L. M. L. Fatores culturais que interferem nas experiências das mulheres durante o trabalho de parto. Revista Latino-americana de Enfermagem, [s.l.], v. 14, n. 3, p.414-421, jun. 2006.

BRASIL. Programa de Humanização do Pré Natal e Nascimento. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. Oito passos para maternidade segura. Guia Básico para os Serviços de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 1996.

BRASIL. Resolução de Diretoria Colegiada. Brasília (DF): Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2013.

CAJUEIRO, R. L. P. Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos: guia prático do estudante. Petrópolis: Vozes, 2015. 112 p.

CARVALHO, V. F. et al. Como os trabalhadores de um Centro obstétrico justificam a utilização de práticas prejudiciais ao parto normal. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, São Paulo, v. 1, n. 46, p.32-35, jun. 2012.

CHAUÍ M. Repressão sexual: essa nova [des] conhecida. São Paulo (SP): Brasiliense; 1991.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM - Brasil). Código de ética médica. Resolução nº 1.246/88. Brasília: Tablóide, 1990.

COSTA, S.M. et al. Episiotomia: o que há de verdade neste tradicional procedimento? Femina. 29 (4), 201-03, mai. 2001.

CUNHA, C.C.A. Violência obstétrica: uma análise sob o prisma dos direitos fundamentais. 2015. 46f. Monografia (Bacharelado em Direito) – Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

DAVIS-FLOYD, R. The technocratic body: american childbirth as cultural expression. Social Science and Medicine, v. 38, n. 8, p. 1125-1140, 1994.

DINIZ, C.S.G. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 627-637, 2004.

DINIZ, C.S.G.; CHACHAM, A.S. O ‘corte por cima’ e o ‘corte por baixo’: o abuso de cesáreas e episiotomias em São Paulo. Questões de Saúde Reprodutiva, v.1, n.1, p.80-91, 2006.

Escola Nacional de Saúde Pública. Inquérito Epidemiológico sobre as consequências do parto cesárea desnecessário no Brasil. Projeto Nascer no Brasil. [Internet]. 2014.

GUTMAN. L.; Mulheres visíveis, mães invisíveis. Rio de Janeiro. Ed: Best seller. 2013.

JUÁREZ, DIANA Y OTRAS. Violencia sobre las mujeres: herramientas para el trabajo de los equipos comunitarios /Diana Juárez y otras.; edición literaria a cargo de Ángeles Tessio. - la ed. - Buenos Aires: Ministerio de Salud de la Nación, 2012.

LEAL, M.C. et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cadernos de Saúde Pública. 2014, v 30, 17-47.

LEISTER, N. Transformações no modelo assistencial ao parto: história oral de mulheres que deram à luz nas décadas de 1940 a 1980. 2011. 174 f. Tese (Doutorado) - Curso de Enfermagem, Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

OBERG, V. The amniotomy question: examining the pros and cons of rupturing membranes. Midwifery Today Int Midwife. n.º 95, 201, p. 9-10, 2010.

ODENT, M. O camponês e a parteira: uma alternativa à industrialização da agricultura e do parto. Tradução de Sarah Bauley. São Paulo (SP): Ground, 2003.

Organização Mundial da Saúde. Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: OMS, 1996.

OSIS, M. J. M. D. PAISM: um marco na abordagem da saúde reprodutiva no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 14, Supl. 1, p. 25-30, 1998.

PALHARINI, L. A. Autonomia pra quem? O discurso médico hegemônico sobre a violência obstétrica no Brasil. Unicamp. Campinas (SP), 2017.

PROGIANT, J.M.; PENNA L.H.G., CHRISTOFEL M. Parto e nascimento: reflexões de enfermeiras obstétricas. Revista Enfermagem Atual, p. 23-26, 2004.

RATTNER, D. Humanización en la atención a nacimientos y partos: breve referencial teórico. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.13, supl.1, p. 595-602, 2009.

REZENDE FILHO, J; MONTENEGRO, C.A.B. Obstetricia Fundamental. Rio de Janeiro/; Guanabara Koogan, 2013.

SCHWAB, W.; MARTH, C.; BERGANT, A.M. Post traumatic stress disorder post partum. Geb. Fra. Science, v. 72, p. 56-63, 2012.

SILVA, A. B. “Ser tratada como lixo. É normal?”: a experiência de mulheres vítimas de violência obstétrica. 2015. 44 p. Monografia (Psicologia). Universidade Católica de Brasília. Taguatinga/DF, 2015.

SOUZA, A.S.R. et al. Indução do trabalho de parto: conceitos e particularidades. FEMINA, Abril, vol. 38, nº 4, 2010.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínicoqualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes, 2011, p. 361.

ZANETTI, M.R.D.; PETRICELLI, C.D.; ALEXANDRE, S.M., TORLONI, M.R.; MARIA, R.T., NAKAMURA, U.M.; SASS, N.S. Episiotomia: revendo conceitos. FEMINA. 2009; 37(7).

WOLFF, L. R.; WALDOW, V. R. Violência Consentida: mulheres em trabalho de parto e parto. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 17, n. 3, p. 138-151, 2008.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.