Mensuração das pressões respiratórias máximas em idosos participantes de grupos de convivência

  • Mayra Ferraz Santos Gusmão
  • Stenio Fernando Pimentel Duarte
  • Lara Sodré Lago
  • Camila Porto Nascimento
  • Rebeca Fernanda Ferraz de Almeida
  • Luciana Araújo dos Reis

Resumo

O presente artigo tem por objetivo avaliar as pressões respiratórias máximas em idosos de grupos de convivência. Trata-se de uma pesquisa analítica com delineamento transversal e abordagem quantitativa realizada em um grupo de convivência de idosos, no município de Vitória da Conquista/BA. Verificou-se no presente estudo que houve uma maior frequência do sexo feminino (67,7%), solteiro (a) (64,5%), idade ≤ 74 anos (64,5%) e aposentados (96,8%). Quanto às condições de saúde constatou-se que a maioria dos idosos apresentou uma boa percepção de saúde (58,1%), presença de problemas de saúde (90,3%), realiza tratamento (77,4%) e presença de dor (54,3%). Na avaliação das pressões máximas respiratórias os valores médios da PImáx foi de 55,6 (± 21,0) cmH20 e de PEmáx foi de 71,3 (±22,0) cmH20. Constatou-se que os idosos avaliados apresentaram diminuição da força muscular respiratória decorrente do processo de envelhecimento.

Como Citar
GUSMÃO, Mayra Ferraz Santos et al. Mensuração das pressões respiratórias máximas em idosos participantes de grupos de convivência. Revista InterScientia, [S.l.], v. 3, n. 2, dez. 2015. ISSN 2317-7217. Disponível em: <https://periodicos.unipe.br/index.php/interscientia/article/view/19>. Acesso em: 25 nov. 2017.
Seção
Artigos