Alterações na capacidade funcional em mulheres menopausadas

  • Andréa Carla Brandão da Costa Santos
  • Jullye Anne Sousa Siqueira
  • Iza Neves de Araújo Nascimento
  • Fabiana Veloso Lima

Resumo

Em virtude da crescente expectativa de vida da mulher na menopausa, torna-se perceptível à necessidade de procurar viver bem, buscando uma maior funcionalidade. A capacidade funcional refere-se às condições que o indivíduo apresenta para viver de maneira autônoma desempenhando de forma satisfatória suas atividades de vida diária. O objetivo deste estudo foi verificar as alterações na capacidade funcional em mulheres na menopausa. Tratou-se de uma pesquisa de caráter transversal, descritiva e exploratória, com abordagem quantitativa, foi realizada no Centro Universitário de João Pessoa, na Clínica Escola de Fisioterapia. Participaram 20 mulheres, recrutadas por conveniência, sendo incluídas voluntárias menopausadas que não apresentavam doenças
que comprometessem a capacidade funcional. Os dados foram obtidos a partir do questionário Health Assessment Questionaire (HAQ). Este estudo teve foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob protocolo n° 409/2014. Os resultados foram tratados pela estatística descritiva, mediante média, desvio padrão e percentual, com o programa Excel 2010. A média de idade das participantes foi de 58,55± 9,16 anos. O tempo de menopausa foi em média 9,1 ± 7,45 anos. Com relação à capacidade funcional, 70% apresentou dificuldade leve a moderada, 30% dificuldade moderada a grave e nenhuma das participantes apresentou incapacidade funcional. Quanto ao tempo de prática da fisioterapia, apresentou média de 3,8 ± 2,26 anos. Os resultados encontrados no estudo revelaram que a maior parte das mulheres se apresenta com uma capacidade funcional satisfatória, que pode estar associada ao curto tempo de menopausa, bem como a prática de atividade física realizada durante a fisioterapia.

Como Citar
SANTOS, Andréa Carla Brandão da Costa et al. Alterações na capacidade funcional em mulheres menopausadas. Revista InterScientia, [S.l.], v. 3, n. 2, dez. 2015. ISSN 2317-7217. Disponível em: <https://periodicos.unipe.br/index.php/interscientia/article/view/18>. Acesso em: 21 set. 2017.
Seção
Artigos