Classe, técnica e moral: o Estado em perspectiva sociológica
Samuel Correa Duarte
UFMA
PDF

Palavras-chave

Classe
Técnica
Moral

Como Citar

Duarte, S. (2019). Classe, técnica e moral: o Estado em perspectiva sociológica. Revista InterScientia, 7(1), 83-101. https://doi.org/10.26843/interscientia.v7i1.1005

Resumo

O presente texto tem como objetivo demarcar um viés analítico apropriado à questão do Estado na Sociologia Clássica. Para tanto é indicado o caráter classista do Estado capitalista na formulação teórica de Karl Marx; a concepção de Max Weber centrada na ideia do Estado como aparato técnico de poder dotado de monopólio legítimo da força física; e por fim, a perspectiva de Emile Durkheim, que endereça ao Estado uma função moral na promoção da ordem social. Os diferentes eixos analíticos identificados em cada autor para o mesmo objeto, o qual consiste no Estado, evidenciam a possibilidade de construção de diferentes estratégias teóricas com vistas à compreensão do fenômeno do poder político tendo como referência abrangente o contexto da sociedade capitalista.

PDF

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de estado. 9. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

ARON, Raymond. Etapas do pensamento sociológico. Brasília: Editora da UnB, 1990.

BALBI, Fernando Alberto. A moral como parte integral da produção da vida social: uma leitura heterodoxa dos escritos de Émile Durkheim. Sociol. Antropol., Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 755-778, dez. 2016.

BIANCHI. Alvaro. O conceito de estado em Max Weber. Lua Nova, São Paulo, 92: 79-104, 2014.

BIDET, Jacques. Explicação e reconstrução do Capital. Campinas-SP: Editora Unicamp, 2010.

CODATO, Adriano; PERISSINOTTO, Renato. Marxismo como Ciência Social. Curitiba: Editora UFPR, 2011.

COUTINHO, Carlos Nelson. A dualidade de poderes: introdução a teoria marxista de estado e revolução. Brasiliense, 2ª. Ed. 1987.

DURKHEIM, Émile. Lecciones de sociologia: física de las costumbres y del derecho y otros escritos sobre el individualismo, los intelectuales y la democracia. Buenos Aires-Madrid: Miño y Dávila, 2003.

ELSTER, Jon. Marx Hoje. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Trd. Luis Cláudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1998. (Coleção Clássicos Filosofia Ciências/Sociais)

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. O Manifesto Comunista. 3ª edição, São Paulo, Global, 1988.

MARX, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Editora Boitempo, 2011.

OLIVEIRA, Márcio de. O Estado em Durkheim: elementos para um debate sobre sua sociologia política. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, v. 18, n. 37, p. 125-135, out. 2010.

PAUGAM, Serge. Durkheim e o vínculo aos grupos: uma teoria social inacabada. Sociologias, Jan 2017, vol.19, no.44, p.128-160.

RIESEBRODT, Martin. A ética protestante no contexto contemporâneo. Tempo soc., São Paulo, v. 24, n. 1, p. 159-182, 2012.

SADER, Emir. Estado e Política em Marx. São Paulo: Editora Boitempo, 2014.

SELL, Carlos Eduardo. Máquinas petrificadas: Max Weber e a sociologia da técnica..Sci. Stud., São Paulo, v. 9, n. 3, p. 563-583, 2011.

__________. Racionalidade e racionalização em Max Weber. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 27, n. 79, p. 153-172, jun. 2012.

__________. Weber no Século XXI: Desafios e Dilemas de um Paradigma Weberiano. Dados, Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 35-71, mar. 2014.

WEBER, Max. Ciência e Política: Duas Vocações. São Paulo: Editora Cultrix, 1996.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva / Max Weber; tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa; Revisão técnica de Gabriel Cohn - Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.

WEFFORT, Francisco C. (Org). Os clássicos da política. Vol. 2. São Paulo: Ática, 1991.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.